Image Alt

Chás Puros

Há séculos, os produtores exploram as possibilidades de processamento da Camellia sinensis respeitando as tradições mas com o objetivo de aprimorar e diferenciar a bebida, tornando-a mais aceitável aos tempos, gostos e necessidades. De acordo com o tipo de processamento escolhido, atualmente obtemos seis famílias de chás:

Chá branco
chá branco 1

Originário da província de Fujian, na China, contém alta concentração de antioxidantes, como as catequinas e polifenóis. É o menos processado dos chás, levando de 2 a 3 dias para ser produzido e é facilmente distinguido pois suas folhas apresentam uma fina penugem branca consequente de sua leve e natural oxidação. Em sua origem, os chás brancos eram feitos apenas com os brotos da planta, agora já são também utilizadas as primeiras folhas. Uma das principais características é a secagem ao sol, que precisa de bastante controle para chegar ao resultado desejado. No paladar, são sutis e delicados, doces e florais e possuem muito prestígio por serem feitos dos primeiros brotos a surgirem, colhidos cedo, normalmente no início da primavera.

Chá verde
chá verde

Produzido a partir das folhas jovens logo abaixo dos brotos, contém muitos nutrientes e óleos vindos das raízes devido ao período de dormência no inverno. É o mais semelhante à folha viva colhida, pois a oxidação é reprimida pela aplicação do calor (pan firing, basket firing ou vapor) a 60 graus aproximadamente. Possui um frescor adocicado no paladar proveniente dos suaves aminoácidos. Podem ser encontrados em diferentes formatos: plano, agulhado, encaracolado, enrolado ou torcido. Seu consumo vem aumentando vertiginosamente no mundo todo devido às pesquisas em torno de suas propriedades medicinais. Seu maior produtor é a China, no entanto também é tradicionalmente produzido no Japão e Coréia.

Chá amarelo
chá amarelo 1

Trata-se de um chá raro, produzido apenas na China, nas províncias de Sichuan e Anhui e pouco exportado. É um chá verde com uma leve oxidação pois após a fixação do calor, as folhas são enroladas em papel ou tecido para que esfriem e retenham a umidade. Segue outra fase de aquecimento e mais outra até chegar-se ao resultado desejado, o que pode levar muitos dias. A combinação de calor e umidade dá às folhas o aspecto amarelado. Possui um sabor doce, fresco e delicado.

Chá oolong
oolong 2

É o segundo chá mais consumido no mundo, originalmente produzido na China, nas montanhas Wuyi (ao norte de Fujian) e hoje em dia também nas Montanhas Phoenix (Guangdong) e na região de Anxi (ao sul de Fujian). Outro país produtor é Taiwan, nas notadamente em Taipei, Nantou e Hsinchou. Possui um difícil, rigoroso e extenso processo de fabricação, onde o principal agente é o mestre de chá que, com sua habilidade e criatividade, determina o momento em que se deve parar a oxidação das folhas maduras. Um importante diferencial na produção dos oolongs é o estresse provocado nas folhas antes ou logo depois da colheita. As folhas são mordidas por insetos (caso do Oriental Beauty) ou golpeadas para que liberem enzimas e hormônios que vão determinar sabor e aroma característicos de cada chá. Outro ponto de grande relevância é o processo de “assar” as folhas durante o processamento. É um chá de oxidação intermediária entre o verde e o preto e muito versátil, podendo ser submetido a várias infusões, sempre apresentando notas diferentes entre elas

Chá preto
chá preto 1

É o tipo de chá mais consumido no mundo e o mais conhecido no ocidente por ser o mais usado na indústria de chás em saquinhos e bebidas prontas. É totalmente oxidado e apresenta um paladar encorpado, vivo, caramelado e maltado devido a conversão de seus polifenóis em tearubiginas (cor) e teaflavinas (sabor) durante o processamento. Os processos de fabricação mais usados são o ortodoxo (manual ou com uso de poucas máquinas, folhas inteiras ou rasgadas) e o CTC (uso de máquinas em todo o processo, folhas trituradas). Nos mais pesados, como o indiano Assam, podem ser acrescentados leite e/ou açúcar na hora de servir. O maior produtor é a Índia, seguido pelo Sri Lanka e Quênia. A China é um grande produtor para atender a sua demanda nacional.

Chá Escuro
chá escuro 2

O chá escuro ou hei cha é um chá fermentado, com propriedades probióticas que auxiliam na digestão e na perda de peso. Após o processamento como chá verde, as folhas são umedecidas, cobertas com tecido e deixadas no escuro e em contato com os microorganismos do ar na fábrica, iniciando a fermentação. Daí, o chá é colocado num formato circular (bolo), vaporizado e prensado. O chá do tipo cru é vendido dessa forma e vai completar a fermentação na casa do consumidor onde os sabores são desenvolvidos ano após ano. Já no chá pós-fermentado maduro o processo de fermentação total ou quase total é atingido em fábrica e o consumidor não precisa ter os cuidados do chá cru. O chá maduro já sai da fábrica fermentado e também pode ser envelhecido em casa, ganhando mais valor no amadurecimento dos sabores. O ápice do desenvolvimento desse tipo de chá é de cerca de 25 anos. Seu sabor é característico, variando entre o floral, doce, terroso, mofado, couro, mel, achocolatado e amadeirado. Há inúmeras comunidades de fãs desse chá espalhadas pelo mundo. O Pu´er (designação de origem), o mais famoso dos chás pós-fermentados, precisa ter sido feito em uma das 639 cidades da província de Yunnan, no sudoeste da China, para ser denominado dessa maneira.

 

 

Pesquisa: Escola de Chá Embahú e livro A Little Tea Book, Ed. Bloomsbury

Compartilhe:               .

Abrir conversa
Fale com a Sommelier!